Can a Colheita be topped off with a younger Port and still be called a Colheita?

Empty balseiro of Colheita PortEste é um tema em voga nos fóruns especializados em Vinho do Porto. Quer vá ao For the Love of Port ou ao The Port Forum, vai encontrar estas questões sem resposta. Na verdade, não creio que haja resposta, nem do ponto de vista legal, nem do ponto de vista do produtor.

Se analisarmos a questão do ponto de vista legal, o IVDP diz que Colheita é um Porto de uma única colheita, ou seja, 100% do vinho, a totalidade terá de ser proveniente de um único ano. Por outro lado, o IVDP não contempla qualquer taxa de evaporação para os pipos. Contudo, todos sabemos que o que quer que envelheça em madeira vai evaporar com o tempo, mais lenta ou rapidamente. Vinho do Porto numa pipa de 550 litros vai evaporar a uma taxa de cerca de 3% ao ano (até mais alto em caves mais secas e quentes), mas esta taxa de evaporação não é deduzida do inventário junto do IVDP. Se declarar 550 litros em 1911 e deixá-los na pipa durante 100 anos, em 2011 vai encontrar 27 litros, ou 5% daquilo que havia no ano 0. Mas no inventário o valor será de 550 litros. Ficamos sem reposta do campo legal.

Vamos agora analisar a parte da produção. Imaginemos que temos 10 pipas. Usamos uma para atestar as outras 9. Com uma evaporação de 3%, a pipa dos atestos vai durar 4 anos. Ao fim do quarto ano escolhemos uma segunda pipa para atestar as 8 pipas que restam. Esta segunda pipa vai atestar as outras 8 durante 6 anos. E siga o raciocínio (se já se perdeu abra a garrafa do Porto e vá pesquisar coisas mais interessantes). Indo ao ponto: será que o Porto que está na pipa dos atestos envelhece em perfeitas condições? Creio que não, porque assim que começar a atestar as pipas, deixará de estar totalmente cheia e o processo de oxidação acelera excessivamente. Quanto mais atestar menos resta e maior será a quantidade de oxigénio dentro da pipa dos atestos.

Dito isto, em termos logísticos é difícil atestar pipas com o mesmo vinho durante um grande período de tempo. Do ponto de vista do produtor, depende daquilo que se quer do vinho: atestar com Porto da mesma idade mantendo o perfil aromático ou refrescar com vinhos mais novos para aumentar o espectro de aromas.

O que fazemos na Quevedo? Depende de que Porto estamos a falar.

Para terminar, pode um Colheita ser atestado com Porto mais jovem e continuar a chamar-se Colheita? Pode, e às vezes é-o!

Oscar

5 Comentários Added

Add yours
  1. Andy Velebil 14 14UTC Janeiro 14UTC 2011 | reply
    Oscar, Thanks for talking about this sensitive issue. It was quite the interesting read. Andy V
  2. Alex 14 14UTC Janeiro 14UTC 2011 | reply
    What's in a name? That which we call a rose By any other name would smell as sweet."
  3. Francisco Brito 15 15UTC Janeiro 15UTC 2011 | reply
    Olá, Oscar, excelente questão, há muito tempo que reflectia sobre o assunto, e não conseguia arranjar resposta. Um abraço.
  4. Manuella Witt 17 17UTC Janeiro 17UTC 2011 | reply
    Algum produtor usa pipas menoroes, para onde ele pode transferir o vinho restante quando ele completou as outras pipas? Ou é uma regra sempre ter o vinho na pipa do mesmo volume, mesmo que meio cheia? Eu faria assim, com pipas da mesma idade. Imagino que o envelhecimento nao seria o mesmo, mas a diferenca seria menor do que adicionar um vinho novo (outra safra) ou um vinho muito mais oxidado. Bom artigo! Abcs, Manuella
    • Oscar Quevedo 17 17UTC Janeiro 17UTC 2011 | reply
      Bom ponto Manuella, mas há muito poucas pipas de menor dimensao. É quase tudo de entre 550 e 650 litros.

Deixar uma resposta

Reset all fields