Azeite biológico da Quevedo – colheita com máquina

O final da época natalícia costuma marca o melhor momento para o início da apanha da azeitona. E este ano não foi excepção. Para além dos 100 hectares de vinhas a Quevedo cultiva 20 hectares de oliveiras em regime de agricultura biológica. Desde 2003 que as nossas oliveiras estão livres de químicos e são cultivadas num processo integrado de cultivo biológico. Temos cerca de 2.000 oliveiras com entre 70 e 150 anos e cerca de 2.500 com idades compreendidas entre 2 e 10 anos.

Assim, durante estas semanas deixámos as tesouras da poda em casa e temos estado dedicados à colheita da azeitona. Tradicionalmente, na apanha na azeitona utilizam-se longas varas para abanar os ramos e fazer com que a azeitona caia. Esta forma de colher a azeitona leva a que os ramos mais fracos e jovens, que no ano seguinte viriam a dar azeitona, muitas vezes estalem com o impacto da vara e deixem a oliveira sem esta vegetação jovem. Além das varas também se utilizam lonas, que se colocam no chão, à volta da oliveira, e assim se evita o contacto da azeitona com a terra e se junte toda mais rapidamente.

Mas este ano decidimos fazer a recolha de maneira diferente, introduzindo uma nova tecnologia. Estamos a apanhar a azeitona com um mecanismo vibrador, que abana os ramos, levando à queda da azeitona em segundos. Sem dúvida que cria alguma vibração junto ao tronco mas não afecta a saúde da oliveira. Estudámos os efeitos deste mecanismo vibratório nas oliveiras e concluímos que não causa danos à oliveira nas semanas ou meses seguintes. O video ajuda a explicar como funciona.

Para fazer um litro de azeite, este ano devem ser necessários 6,5 quilos de azeitonas. Esperamos fazer cerca de 4.000 litros de azeite biológico este ano, ligeiramente superior à colheita do ano passado. As oliveiras mais jovens vão aumentando a produção de ano para ano. Quanto às oliveiras centenárias, essas continuam a produzir poucas azeitonas mas com uma concentração aromática elevada.

Veja o video. O que acha deste processo?

Oscar Quevedo