Festival de Vinho do Porto – devia haver um em todas as cidades

Børsen

Børsen (Photo credit: Wikipedia)

Aqueles produtores que participaram no Portvin Festival, ou Festival do Vinho do Porto, que teve lugar em Copenhague, Dinamarca, na segunda-feira da semana passada, estavam seguramente empolgados com a motivação e interesse que os dinamarqueses mostraram durante o evento. A XX edição do Festival do Vinho do Porto, cuja organização é liderada pelo Sr. Henrik Oldenburg, e dedicado exclusivamente ao Vinho do Porto, contou com a participação de mais de 600 1200 pessoas, entre retalhistas, journalistas, mas na sua grande maioria, consumidores, ou melhor dito, apaixonados por Vinho do Porto. Na maioria das mesas estavam não só os importadores mas também os produtores que viajaram de Portugal. Na nossa mesa estávamos com o nosso importador, Haller Vine.

Apesar da chuva que caía, e acredite que choveu muito durante alguns minutos, nada fez as pessoas abandonar as longas filas que se formavam à porta. Nem sequer reduziu o entusiasmo que mostravam no momentos da prova, onde a maioria mostrava interesse em Colheitas e Tawnies com Indicação de Idade. Mas também em Porto Vintage. E todas estas pessoas que por ali estavam, e que iam saltando de mesa em mesa, fizeram-nos sentir, a nós produtores, especiais. Especiais porque partilham a mesma paixão por Vinho do Porto que nós temos de cada vez que o provamos. O facto deste evento ter tido lugar no belo Palácio da Bolsa de Copenhague, Børsen, certamente que lhe deu ainda mais charme.

A Dinamarca é um país especial para o Vinho do Porto, pela paixão, conhecimento e educação que os locais lhe devotam. Mas outros países poderiam também organizar eventos como este. E todos nós produtores de Vinho do Porto enriqueceríamos com isto. Dedicação e conhecimento são ingredientes que o Vinho do Porto requer em abundantes quantidades mas estou seguro que por aí fora, em muitos países, não falta quem quisesse fazer parte desde Festival do Vinho do Porto. E a prova que o Axel Probst do World of Port organizou uma vez mais, em Leverkusen, Alemanha, dia 9 de Novembro, desta vez dedicado a Porto 20 Anos, e dos anos de 1991 e 1992, é um grade exemplo disso.

Saúde,

Oscar

Enhanced by Zemanta

A tradição do Bispo de Norwich no Vinho do Porto

O Vinho do Porto está repleto de tradições e de mitos tanto do lado de quem o produz como de quem o consome. Um daqueles mitos que talvez tenha ouvido aos seus avós e que hoje já pouco se vive é o que proíbe as mulheres de entrarem no lagar para pisar uvas. Os antigos diziam que se as mulheres pisarem as uvas o vinho vai estragar-se. Claro que isto não faz sentido.

Do lado do consumo, há uma tradição que eu não podia explicar até há uns meses atrás. Esta tradição invoca o Bispo de Norwich quando se quer servir mais Vinho do Porto. Imagine-se então num jantar, sentado a una longa mesa, com o seu copo de Porto vazio e vê que o decantador do Vinho do Porto está “preso” em alguém que está adormecido. Em vez de pedir diretamente pelo decantador ou por mais Porto, diria algo de um modo mais educado e subtil, perguntado à pessoa que tem o decantador à frente “Conhece o Bispo de Norwich?” E esperava obter um “não” como resposta para depois dizer “Tremendamente bom companheiro, mas nunca passa o Porto”. Maneira inteligente de evitar ofender a pessoa que retém a garrafa de Porto!

Sabe de onde é que esta tradição vem? Vem do Bispo Henry Bathurst, consagrado em 1805, que durante os jantares que dava adormecia à mesa. Deixava de passar o decantador com o Vinho do Porto! No video acima temos o atual Bispo de Norwich a explicar esta tradição, gravado em Julho de 2012, durante a Prova de Portos Olímpicos, para celebrar as Olimpíadas de Londres de 2012.

Conhece outras tradições relacionadas com o Vinho do Porto? Partilhe connosco!

Oscar

Portugal Lovers leva Urban Market à Quevedo

Terminada a vindima, podem começar as festas e as brincadeiras. Desta vez trago uma sugestão para um evento este fim-de-semana, dia 27 de Outubro das 10h às 19h, na nossa sala de provas em Vila Nova de Gaia. Vai realizar-se lá mais uma edição do Urban Market, uma feira de apresentação de produtos de criadores portugueses. Com muita pena minha, não vou estar por lá. Desta vez a família tem prioridade. Mas a Ana Paula e o Manuel, juntamente com a Cintia Woodcock, a Filipa Moredo e a Filipa Vale estão lá para animar o dia.

O que é isto do Urban Market? Aqui fica:

Conceito

Um evento de mostra e venda de produtos de criadores portugueses de várias áreas e divulgação de bandas nacionais organizado pela Portugal Lovers, que pretende dinamizar o centro histórico do Porto e Gaia enquanto agregador de indústrias criativas. Este evento pretende replicar‐se por vários espaços do Centro Histórico do Porto e Gaia de forma a criar dinâmica na cidade e dar a conhecer os produtos desenvolvidos pelos criadores.

Este evento, de promoção e divulgação de produtos e criadores portugueses, permite cativar outros mercados, novos criadores, novos públicos, promovendo, ainda, o centro histórico e a cidade, permitindo também a ampliação ou reposicionamento dos produtos no mercado nacional.

Objetivos

  • Dar a conhecer novos produtos e criadores portugueses;
  • Rotatividade do evento – cada edição do Urban Market será realizada preferencialmente num espaço distinto, dando a conhecer, assim, os novos espaços da cidade do Porto;
  • Oferta diversificada dos vários setores artísticos e culturais;
  • Criação de sinergias e parcerias entre criadores;
  • Oferecer à cidade e à comunidade portuense uma nova atividade cultural de acesso gratuito.
Oscar

Escolha mecânica de uvas para vinhos premium

Agora que a vindima terminou, é o momento de vos falar de uma das mais extraordinárias máquinas que os enólogos têm agora à disposição – a um alto custo – na escolha e seleção de uvas. Esta nova máquina de escolha de uvas está em funcionamento na Fundação Eugénio de Almeida, uma das mais prestigiadas e sérias adegas do Alentejo, na qual se produz e notável Pera Manca. A minha irmã Cláudia visitámos o nosso amigo Pedro Baptista no inicio de Setembro, uns dias antes de começarmos a nossa vindima.

Vendo o video, num primeiro momento vai ver as uvas a chegarem em caixas de aproximadamente 180kg e a serem tombadas para o esmagador e desengaçador. Depois de esmagadas e desengaçadas – e é agora que chega a novidade – os bagos são colocados num tapete que gira a muita velocidade de modo que todos os bagos fiquem espaçados. A máquina vai então analisar cada um dos bagos e se encontrar algum que não se encontra dentro dos parâmetros definidos pelo enólogo, então um jato de ar é soprado sobre o bago e é eliminado da linha. Impressionante!

Se for passear para o Alentejo, a Fundação Eugénio de Almeida é certamente uma das adega que não deve deixar de visitar. Está localizada poucos kms a sul da linda cidade de Évora.

Até breve,

Oscar

Vindima de 2012 no Douro, num piscar de olhos

Estamos lentamente a aproximar-nos do final da vindima no vale do Douro. Depois de alguns dias de chuva no final de setembro, o tempo tem estado bom, com temperaturas em torno de 20 º e tempo seco. No início desta semana, choveu novamente, o que veio complicar o nosso trabalho. Se a chuva que tivemos no final de setembro, poderia ter sido favorável às uvas localizadas nas áreas mais elevadas, a desta semana não acrescenta nada.

Na vinha, as uvas ainda estão saudáveis. Não há podridão, oídio ou qualquer outro grande problema que reduza a qualidade. Em termos de trabalho na adega, também está calmo. As fermentações estão a começar espontaneamente e sem problemas. Como as temperaturas exteriores não são muito altas, não há dificuldade em manter os mostos às temperaturas desejadas.

Em relação à prova sensorial dos mostos de fermentação e dos Vinhos do Porto já feitos, como já tínhamos falado devido ao ano muito seco, não estou surpreso com a pouca complexidade que apresentam. Frescos e frutados, com cores médias no início da fermentação e que lentamente vão escurecendo com o aumento do contacto com a pele. Na boca são agradáveis, mas com finais pouco longos.

P.S. Obrigado Daniela por nos ajudar a fazer os Vinhos do Porto de 2012!

Oscar

Vindima 2012 no Douro: e ao sétimo dia veio a chuva

Em cada uma dos meses, desde Novembro de 2011, que no Douro se tem registado um nivel de pluviosidade abaixo da média de longo prazo. E logo agora que começámos a vindimar, veio a chuva. Dá para acreditar? Um ano inteiro de seca, especialmente durante o Inverno em que o sol brilhou de manhã à noite durante várias semanas. E quando precisamos de tempo seco, chove.

É tudo de queixas e vamos antes falar sobre a primeira semana de vindima. Boas cores, especialmente na Tinta Roriz e na Touriga Nacional. A Touriga Franca apresenta-se com pouca cor e atrasada na maturação. A fermentação está a decorrer mais rápido que o normal, o que é um problema em termos de maceração e extração de cor, o que pode querer dizer vinhos com menos corpo e estrutura. Começámos a vindimar na segunda-feira passada e no domingo chegou a chuva. Nesta altura a vindima está suspensa, devendo recomeçar na próxima quarta-feira, se as previsões climatéricas se mantiverem com tempo seco a partir de terça.

A foto acima mostra o primeiro Vinho do Porto desta vindima. É uma mistura de uvas de vinhas com cerca de 25 anos da Quinta da Mós, no Douro Superior, e é surpreendentemente bom. Não esperávamos cores tão intensas este ano.

Oscar

Enhanced by Zemanta

Que comece a vindima 2012 no Douro

Chegou aquela época do ano. Está na hora de começar a vindima, aquele período de 5 ou 6 semanas para o qual trabalhamos durante todo o ano. Começamos a estar nervosos, e a sentir a pressão do ver testado o trabalho desenvolvido durante os onze meses anteriores. E tudo começa amanhã, dia 17 de Setembro. Primeiro vamos cortar as uvas brancas, e alguns dias depois,  começa a vindima das uvas tintas na Quinta das Mós, bem no centro do Douro Superior.

Como é que vejo esta vindima? Em termos de quantidade, e ainda que seja muito difícil fazer uma estimativa próxima da realidade devido à variabilidade de cada parcela, diria que em linha com a média. Mas se não é fácil dar uma indicação em termos de volumes, estou ainda mais confundido com a qualidade. Não faço ideia, ainda que creio que não será nem fantástica nem horrível (a não ser que comece a chover sem parar durante as próximas duas semanas). Talvez em termos de qualidade seja também em linha com a média.

A maturação está cerca de duas semanas atrasada, dado que tanto a floração como o pintor chegaram tarde. A maturação fenólica está um pouco mais atrasada que a alcoólica, o que quer dizer que as uvas vão apresentar um álcool potencial mais alto quando atingirem o ponto ideal de maturação (se é que isso existe). As uvas tintas vão começar a ser vindimadas 14 dias mais tarde este ano, quando comparado com o inicio da vindima no ano passado. As uvas brancas não estão tão atrasadas para a vindima, dada a importância de manter a acidez, antes que desapareça rapidamente.

É hora de aproveitar as últimas horas de tempo livre das próximas 6 semanas!

Oscar

Quais as palavras usadas na produção de Vinho do Porto


Na sua primeira visita à nossa adega, em Julho de 2012, Christopher Pfaff, um alemão apaixonado por Vinho do Porto que gere o site Passion Portwein, pediu para fazermos um video em que eu explicava as palavras portugueses utilizadas na produção de Vinho do Porto. Estão na sua maioria relacionadas com castas e envelhecimentos. Apesar disso, ainda há uma ou outra que talvez nunca tenha ouvido. Veja o vídeo e se ainda houver alguma palavra que não saiba como pronunciar, avise-nos que eu sugiro ao Christopher para incluir num próximo video.

Até breve,

Oscar

Sangria com bolhas de Quevedo Rose Port

O que vai ler de seguida é provavelmente a melhor receita de sempre de um cocktail de Porto Rosé. A primeira e única vez que provei este cocktails foi em Salt Lake City há duas semanas atrás, numa tarde quente de verão, mesmo antes de começar o que creio que foi a primeira prova de Vinho do Porto, com presença do produtor, em Utah. Por certo, este estado que quase nunca está muito à mão, localizado no oeste dos EUA, é uma bela região, com paisagens espectaculares, e mais importante, gente boa. Coloque na sua lista de lugares a visitar da próxima vez que for aos EUA.

E agora vem a receita para 3 bebidas; a acrescentar ao misturador:

no copo:

Provado e aprovado pelo nosso importador nos EUA Peter e Michael Grisley, da P. R. Grisley, que organizou um grande jantar prova de Vinho do Porto nessa noite.

Tente em casa, mesmo que não tenho possibilidade de adicionar o CO2, e deixe ficar os seus comentários. Outros cocktails de Porto Rose disponiveis em C. da Silva – Porto Dalva.

Oscar

Como é que os génios provam vinho

T gaiser bloggers conference ppt 8 12 from tgaiser

A coisa mais interessante na Conferência de Wine Bloggers é conhecer pessoas. É essa a razão que me leva a participar neste encontro nos EUA, e que este ano se realizou na cidade de Portland, estado de Oregon, na costa oeste. Foi uma longa viagem, com oito horas de diferença de fuso horário, e que no meu caso significa vários dias para ajustar os sonos.

Este ano a conferência contou com mais de 370 participantes, na sua grande maioria americanos. Eram muitas as caras novas, mas havia outros que já são veteranos. E apesar de serem as pessoas que me levam a participar neste evento, não é delas que vou falar aqui hoje. Prefiro focar-me numa das sessões, que apresentou um tema para o qual nunca me tinha debruçado: a neurociência da prova de vinhos. O que é isso? Neurociência, diz o dicionário, é a “Ciência ou conjunto que estuda o sistema nervoso”. Creio que podemos concluir que a neurociência da prova de vinhos é o estudo do comportamento do nosso sistema nervoso numa prova de vinhos. Tim Gaiser apresentou um estudo absorvente sobre a neurociência da prova de vinhos, que se apresenta acima. Analisando a apresentação, especialmente depois da página 40, que é quando as conclusões começam a aparecer, podemos perceber melhor como é que o cérebro reage aos diferentes impulsos da prova. É uma longa apresentação que vale a pena analisar. Por exemplo, pegue num copo de vinho; leve-o ao nariz e pense nos aromas que encontra no vinho; escreva-os; enquanto está a pensar nestes aromas, não importa se são frutos, especiarias ou outra coisa qualquer, o seu cérebro está a construir imagens para cada uma delas. Agora pense naquele que sente com mais intensidade (vamos chamar-lhe morango); rode os olhos o máximo para cima e imagine o morango, aumente-o muito de tamanho, tão grande quanto possível. Mantenha o copo perto do nariz; não é mais intenso o aroma a morango?

Talvez tenha encontrado aqui uma maneira fácil de convencer os seus amigos a encontrar os mesmos aromas que sente durante uma prova de vinhos. Mas, como o Doug Frost refere, “Alterar qualquer aspecto estrutural das imagens, sejam elas frutos ou palavras, torna a experiência artificial e irreal”. E, acrescento o meu humilde comentário, quanto maior for o morango, mais pequeno vai parecer tudo o resto, e menos complexo parecerá o vinho.

Deixe os seus comentários depois de fazer esta experiência. Esta pode fazer em casa, em segurança.

Oscar

Enhanced by Zemanta