Tantos sabores… ainda tanto por descobrir

Tal como prometido, aqui estou de novo para partilhar convosco as minhas duas últimas experiências de combinação de Vinho do Porto com comida.

A primeira experiência foi no jantar de despedida de solteiro de uns amigos, onde o padrinho de casamento nos presenteou com uma fantástica pasta alla norma (massa de beringelas com tomate), receita do famoso chefe de cozinha Jamie Oliver. Para o vinho estar à altura desta ocasião levei comigo um Quevedo LBV 2003 para podermos experimentar pela primeira vez combinar o Vinho do Porto com o prato principal. Queria fugir à regra habitual de saborear Vinho do Porto apenas na ocasião de entradas e sobremesas.

Confesso, contudo, que não foi uma experiência agradável. A massa não tinha um sabor suficientemente forte para poder contrastar com o Vinho do Porto. Muito pelo contrário. O tomate dá-lhe uma suave doçura que faz realçar ainda mais o açúcar do Vinho do Porto, o que não se pode considerar muito agradável quando queremos apreciar esta requintada massa. Esta foi a sensação partilhada por quase todos, com excepção do padrinho e cozinheiro. Este, devido à sua audácia, está sempre à procura de novas aventuras e experiências (quanto mais loucas melhor!).

Não satisfeito com o resultado, passados alguns dias organizei um jantar onde o objectivo era destronar a ideia pré-concebida, e comprovada na experiência anterior, que o Vinho do Porto não permite uma boa combinação com a refeição principal. A ementa do jantar foi Assado de Porco com mostarda Dijon.

Mais uma vez apareceram contrariedades, pois o objectivo era acompanhar o assado novamente com um Quevedo LBV 2003, mas o Óscar Jr. esqueceu-se de trazer o vinho indicado. Fui obrigado a utilizar a minha última garrafa de Porto Quevedo: um Tawny (Estou mesmo a precisar de ir a São João da Pesqueira para reabastecer a garrafeira, espero poder fazê-lo dentro de alguns dias quando for para a vindima). Posso dizer-vos que, apesar de o vinho não ter sido o inicialmente escolhido, desta vez o resultado foi surpreendente! O casamento entre o Vinho do Porto e o assado com a mostarda foi evidente. A doçura do Porto contrabalançava na perfeição com o picante da mostarda Dijon, equilibrando a intensidade de sabores.

Tantos sabores… ainda tanto por descobrir.

Até breve,

Bruno Pinto

If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribe to the feed and get future articles delivered to your feed reader.